21 de dezembro de 2012

O Papel De Cada Um



Longe de mim ser um defensor atroz das coisas antigas em detrimento das recentes, tampouco um saudosista ou nostálgico ou qualquer terminologia do tipo. Amo e odeio o moderno do mesmo jeito que amo e odeio antigo. Mas o que me interessa neste instante é a primazia do impresso, escrito, desenhado, rabiscado, rascunhado em papel.

Demorou muito para chegar ao papel que temos hoje, às formas de gravar coisas nele, talvez por isso ele nunca saia de moda. Mesmo com a internet e os livros digitais, PDF e outros, nada substitui o cheiro do livro e o rasgar do plástico, quando ele é novo; quando velho, nada melhor que as páginas que, como uma criança pequena, pede delicadeza ao extremo... sem falar nas anotações dos outros portadores daquele livro: é legal a tal conexão que se cria entre tantas pessoas por causa de um livro.

Não queria apelar nesse meu texto, mas é preciso: dê de presente um livro, mesmo que comprado na internet, mas um livro, desses de capa e páginas, depois compre um ebook para presentear. Calcule qual deu satisfação maior. Não para o felizardo presenteado, mas para você. É impressionante como o prazer de um presente está mais em quem presenteia do que em quem recebe. Não sei se é loucura só do louco aqui.

Outra apelação: experimente ler um livro antes de dormir... Quando se der conta que caiu no sono e que já está no outro dia, não haverá problema ter deitado por cima do livro, ou deixá-lo de lado na cama; agora, já pensou fazer isso com um tablet, ipad, smartphone ou o etcétera e tal?


Guardo desde sempre tudo que já recebi escrito. Costumo colocar todas as cartas (tirando as de cobrança), bilhetes, fotos e outros mais debaixo do meu colchão. Já pensou um monte de pen-drives e outros eletrônicos do gênero dormindo embaixo de mim toda noite? Como eu poderia ter que esperar um sistema todo iniciar para ver uma homenagem que me fizeram? Vou além: como eu poderia esperar um sistema iniciar para escrever algo?

Uma defesa ao impalpável eu preciso fazer: as redes sociais e a internet têm sido um meio de divulgação, circulação e até mesmo criação tão imenso que é inegável a sua importância para o conhecimento cultural. Tem tanta gente boa escrevendo coisa tão boa que cada vez mais atesto que seu nome não precisa ser muito sonoro, tampouco bem patrocinado para ter ali, no que é escrito por você, coisas maravilhosas.

O certo é que não deve haver uma competição entre o livro tradicional e os livros digitais e sim uma cooperação. As duas formas servem para disseminar (e tentar descentralizar) a cultura, uma mais acessível do que a outra, mas as duas ainda muito distantes de milhões de brasileiros que também precisam da cultura literária. Na página ou na tela cada um tem seu papel e deve desenvolvê-lo da melhor maneira possível: dar a quem o utiliza a chance de viver melhor.

Escrevo esse texto no computador e vou postá-lo na internet, nada que eu ou alguém possa levar para debaixo do seu colchão ou para a mesinha do lado da cama (pois não gosto de caçoar da mudez do criado), mas que – espero eu – encha quem o leu de ideias para levar consigo, não só para o sono, mas para toda a vida.


Imagem 1: http://www.naniesworld.com/2010_07_01_archive.html
Imagem 2: http://www.mudandodeassunto.com/livro-impresso-x-e-book-a-batalha-que-nao-deveria-acontecer/
Imagem 3: http://paneetvino.blogspot.com.br/2012/03/charge-de-hoje-livros-e-internet.html

18 de novembro de 2012

O(s) Jumento(s)



Insisto que esta vida é boa porque é possível nela ter certas experiências que na morte, purgatório ou noutra vida certamente não haveria chance de tê-las: é a vida um barco (a vela), um avião, um trem, um vagão, um carro de corrida, uma Brasília amarela (ou agora Camaro) ou – como tratarei – uma carroça?

Ouvir a mesma música diversas vezes e ouvi-la sempre de um jeito diferente é prova de que a aquarela demora muito para descolorir, se é que ela descolore. Já me passam duas décadas (quase) e ainda me vem o novo olhar, pois a verdade é que não é o novo que fascina e sim o novo olhar, o novo jeito de sentir: a re-novação... É essa a marca indelével que faz tudo ficar mais bonito, mesmo quando aparenta não existir sentido.

Uma visão bem renovada que tive foi a de um carroceiro e seu jumento. Não sei se a pouca experiência com a relação bípede-quadrúpede é que me fez ter observado tal coisa somente agora, mas me chamou a atenção um estofo (daqueles de sofá, poltronas e de paredes de estúdios) colocado nas costas do jumento. O estofo servia para que o mecanismo sobre o qual a carroça se apoiava não ferisse o animal. Achei aquilo lindo! Lindo e doloroso e esperto e egoísta e humano e mais e mais e mais...

Sempre observei os jumentos. Da minha religiosidade vem o jumento que carregou Jesus na calorosa entrada em Jerusalém. Da minha infância vêm os tantos equídeos destruidores do “gramato” da pracinha frontal à minha casa, onde eu insistia em calçar a chuteira para dar um pontapé rumo a uma meta imaginária. Da atualidade vêm os tantos jumentos que eu encontro nas ruas, becos, calçadas, quintais, terrenos, escolas, mansões, meios de comunicação etc.

Como seria lindo se todos nós colocássemos uma almofada nas costas do “jumento” que nos leva. Como seria lindo se nós reconhecêssemos o valor daquilo que nos sustenta, não simplesmente como o jumento para o carroceiro, mas como a “carroça” da nossa vida. Como seria lindo se fôssemos todos mais jumentos como os das carroças e menos jumentos como o que somos. Como seria lindo se sentíssemos o quão especial pode ser aquele que estamos levando nas costas – e também o quão jumento ele pode ser. Como seria lindo se percebêssemos as tantas formas de ver os sinais que a vida nos dá de que aqui é começo e o meio... (Fim? Nunca voltaram pra dizer como é esse tal fim...) que aqui já pode ser céu... 

Mas “tudo é igual quando se pensa em como tudo deveria ser”, alerta o poeta. Portanto fico aqui na minha observação da vida e na vivência dela, aprendendo quando é bom ver, que sempre é bom viver e que dizer tudo isso só serve para entender o quanto há para ver/viver/entender(ou não... para esse último) e ser feliz com a descoberta.
Foto: René Cid - Fortaleza (CE)

19 de outubro de 2012

Sou Só Um (Mais Um)


Sou só um ser humano com vontade de voar, de ser indestrutível, infalível ou, pelo menos, aprender a errar.

Sou só carne e osso que queria se tornar o mais amigo, mais bonito, mais afinado possível com tua música.

Sou só um roqueiro que não sabe dançar, mas que não se resume quando aprende que é no coração que se aprende de verdade.

Sou só um chorão que não chora para estragar a maquiagem que não usa, os cabelos lisos que não tem, a tristeza que não o consome, mas que não o deixa dormir.

Sou só gente com algumas obturações nos dentes, com imperfeições no corpo e na mente, com aspirações na frente.

Sou só um aprendiz de vivente, de cantor da beleza, de leitor da vida, de poeta de si mesmo, de amado seu.

Sou só um sonhador que não sabe o que sonha quando acorda, que não tem pesadelos, que sofre à distância, que pula à presença.

Sou só um fraco pra sorrir, um fraco pra querer, um forte pra recusar, um chato pra cair, lerdo pra se levantar.

Sou só um alguém que não sabe o que falar, tampouco com o que rimar. Que aprende a aprender, que esquece, que relembra, que lembra que esqueceu.

Sou só um bobo sem corte, um cachorro sem poste, um bêbado sem sorte, um fantasma sem morte.

Sou só um violão com todas as cordas a envelhecer, a ficar mais difícil de afinar, disposto a novas cordas, que quer ter um dono só.

Sou só um pequeno coração que se preocupa com o dos outros, que se esquiva, que pede socorro, que brinca, que (finge que) é louco.

Sou só um conselheiro de ninguém e um pedinte dos alheios, ouvinte dos boêmios, amigo medroso dos sem medo.

Sou só mais um que luta, que ama olhando a lua, que volta e que continua, que se arrepende, que se prende, se liberta e que entende: amar é a melhor forma de viver pra sempre.

Sou só um sofredor, um amador, mais um que odeia a dor, que tem amor e que quer tê-lo sempre mais.

Sou só mais um que se repete falando demais.

Sou só mais um que quer dizer que o amor não me deixa mais: insiste em me dizer que é a vida um manto de luz e, enquanto há amor, um canto de paz.

Sou só mais um que quer ser mais e que há de conhecer tudo que o Amor me traz.

4 de outubro de 2012

366 Vezes 1 Ano


366 dias depois, aqui estou eu escrevendo sobre o acontecimento mais marcante dos meus 19 anos de vida até hoje: não foi o Brasil ter perdido da França nas quartas de finais da copa de 2006 (fato que me fez desistir da seleção brasileira de futebol); não foi o Wilson Martins ter ganhado a eleição de 2010 (fato que me fez desistir de ter a esperança de ver um bom governador no meu estado); não foi eu ter tirado 9,8 na recuperação final de Física, tampouco ter passado no vestibular...

No ano mais conturbado da vida escolar de alguém – ano pré-vestibular – em vez de estudar muito, concentrar todos os meus esforços na leitura, reflexão e sessões de tortura mental para que o assunto não saísse da minha cabeça, eu me apaixonei... E me apaixonei pra valer. Na verdade, tinha sido no ano anterior que a paixão tinha começado. Mas inteligente e bobo, inquieto e paciente como eu sou, passei quase um ano e meio esperando, na espreita: só vou acreditar nesse sentimento quando sentir um som de um “s” de sim, ao menos. Não me pergunto hoje se, por alguma infelicidade do destino, eu não escutasse nem “s”, nem “i”, nem “n”, nem “não”, eu desistiria. Só me convenço cada vez mais que o que hoje vivo universo alternativo algum seria capaz de presenciar melhor.

O acontecimento extraordinário deste mesmo dia há um ano não foi o fato de eu descobrir que estava apaixonado e resolver parar de bancar o besta (coisa que não exigia muito esforço de minha parte) e, como um caba macho, assumir que gostava da menina. ----------------------
PAUSA PARA UMA EXPLICAÇÃO: Mulheres, vocês sabem o quanto é ótimo dar valor a si própria, o quanto é bom não dar bola para qualquer um, o quanto é bom manter a pose... porém não sejam tão duras. O homem se apaixona mais fácil e mais forte. É tão forte que ninguém nem se dá conta de que ele está apaixonado. Ele esconde. E esconde bem porque às vezes nem ele mesmo se deu conta. As mulheres não: se apaixonam e deixam isso bem claro para si mesmas, até se convencerem de que aquilo não é o melhor e não deve ser levado adiante. O homem tem o medo de dez baratas ao verem um chinelo quando pensam que estão apaixonados.-------------------------
O acontecimento extraordinário ao qual me refiro é o começo do namoro com a mulher mais bonita, charmosa, humilde, inteligente, sincera, determinada, preguiçosa, indecisa, desafinada, positiva, séria, birrenta, carinhosa, bruta, amável e única que eu conheço. (Você que pensa que a ordem importa alguma coisa ou que os defeitos não são amáveis, me perdoe pela minha burrice e pela verdade do meu amor que eu não troco por nada neste mundo).

Não dá pra descrever minuciosamente todos os sentimentos daquele dia, todas as palavras daquele dia, todos os sonhos daquele dia. Opa! Dá pra descrever os sonhos sim: os sonhos eram nenhum, pois ali estava a realidade que eu nunca esperei nem sonhei, mas que se fez tão especial como em nenhum momento de transe eu poderia imaginar querer. 

Acordei, tomei café, fui à escola, almocei, dei aula, toquei na missa, fiz uma das maiores caminhadas da minha vida (dois quarteirões intermináveis) e aí aconteceu o que me trouxe até esta linha: com um beijo, uma música cantada, um sorriso de uma orelha até a mesma orelha, nascia o que nasce ainda hoje todo dia...

E hoje estamos aqui: aprendendo que cada dia aprendemos e que aprendemos a amar amando, mas amando um ao outro... porque amar só é completo quando a resposta é positiva e a vontade é decididamente entregue à vida que se encarrega de mostrar que cada dia é uma alegria infinita (desculpem a rima!).

O amor transcende a palavra escrita, falada, gesticulada ou pensada. O amor é tudo. E quem ama com a gente só pode ser alguém que nos deixa certos de que não há nada capaz de mostrar, medir, enxergar e pensar o tamanho, o jeito, a cor, o som e o quanto quer ser ainda maior um amor que vem de Deus, está em Deus e é para Deus - pelo simplesmente motivo de ser Ele o Amor.

Parabéns, Amanda Luana... Tqt!

25 de setembro de 2012

De Quem Não Gosto


Não tenho pena daqueles que varrem o chão enfrentando um calor infernal e o desrespeito de quem passa perto e desmerece ou dá-lhe mais trabalho.

Não fico triste ao ver alguém cavando um buraco ou erguendo uma parede; não fico triste ao ver alguém limpando um banheiro ou vigiando a entrada da escola.

Não tenho vergonha de quem carrega sacolas ou passa o pano no chão, põe a pá embaixo da poeira para jogar o lixo no seu lugar ou de quem engraxa os sapatos dos outros como se fossem seus.

Não me indigno ao ver alguém jogando o lixo da minha casa na carroceria de um caminhão, tampouco tenho raiva de quem bate à mesma porta perguntando se eu quero algo que ele tenha para vender.

Não me sinto mal ao ver a senhora oferecendo peixe e o senhor dizendo que vende vales...

Não desmereço o camelô que me pergunta o que eu quero ou a moça que me oferece cartão de crédito.

Não faço cara feia para o rapaz que me dá o folheto da sua loja nem viro a cara à moça só porque o seu trabalho é perguntar-me o que desejo ao me atender.

Tenho pena é de quem foge à luta, de quem não assume o compromisso de ajudar na construção do mundo, de quem não emprega sua força na movimentação constante da vida. 

Fico triste é ao ver o comodismo de quem espera e não faz por merecer ou quem acha que é a obrigação do universo o seu próprio bem-estar.

Envergonho-me ao saber que há quem pense que não existem oportunidades e que tudo dá errado para quem corre atrás do sucesso.

Indigno-me quando ouço histórias de quem não corre atrás e quer apenas ser carregado. Sinto-me mal ao conhecer pessoas que se apropriam do suor alheio para bem suceder-se.

Não gosto é de quem não dança, pois a canção está no ar e não é à toa: ela está lá para dançarmos e irmos e voltarmos na ciranda da vida... para dançarmos conforme a música ou pedirmos ao maestro que toque outra, caso aquela não dê para dançar.

20 de setembro de 2012

Escrever, Cantar... Viver.


Mil perdões, caros amigos, guerreiros da vida e alegres viventes, pelo tempo relativamente longo sem um texto, postando apenas poemas guardados nas gavetas virtuais do computador e nas folhas dos cadernos jogados pelo armário.

Confesso que não é falta de ensejo nem de desejo. Julgo ser apenas preguiça mesmo. Preguiça porque tenho feito muito pouca coisa além de ler e de viver. Sendo que ler e viver são verbos que completam o belo período composto que é a vida. Mas aí eu questiono a mim mesmo: como é possível ter preguiça de escrever? Escrever também não é verbo que completa o viver?

Quem gosta de escrever sabe que escrever é como ouvir música. Não há como haver preguiça nisso. Cada linha que você escreve traz um gás, uma disposição enorme. Cada vez que alguém comenta algo que você escreveu traz um entusiasmo magnífico. E cada coisa que você lê e que te faz deleitar-se lendo traz uma vontade absurda de escrever. Assim também é a música, sabemos.

E ainda sou defensor da escrita em papel, embora a letra deste escritor (e aqui eu lembro: sou escritor porque escrevo e não porque sei escrever) seja feia. Letras no papel são como música no rádio. Já inventaram ipod, mega fones de ouvido, milhões de media players, mas não há nada como ouvir música no rádio. Vou além: não há nada como pôr numa FM qualquer e tocar aquela música do coração. É como se outros tantos estivessem sentindo o mesmo que tu sentes enquanto viaja ao som da música.

Esses parágrafos foram só para lembrar (a mim mesmo) que escrever é como ouvir música e que a paixão de um e de outro deve ser tão grande quanto a paixão pela vida, afinal isso é também viver.

Escreva! Escreva com paixão. E faça do que tu escreves música. Cante! E cante com carinho. E transforme cada nota que cantares em bela história de amor, senão a alguém, à vida, pois é ela aquilo que mais se deve amar.

27 de junho de 2012

Fé e Delicadeza

É difícil a vida pra quem a vive com paixão
e singelo e rico o que vem por atração
das coisas boas que fazemos e queremos
ver mudar no universo o qual vivemos.

Quando alguém a quem amamos tomba e cai
há desejo de brigar, gritar, lutar pra ver se sai
todo mal que ali rodeia sem dar trégua,
o sorriso que a tristeza é que modela.

Não há lágrima mais triste e tampouco lacerada
que o sorriso mais forçado e mais tenro quando cala.
Não há alegria mais humana e entusiasmada
que a que vem de bem de dentro, bem do fundo da tua alma.

Se o sorriso não vier por si sozinho
vale a pena um tratamento de carinho
humildade, paciência e certeza
que é feliz a quem a fé é singeleza.

21 de junho de 2012

Paciência

A tua luta não compensa
se não for com paciência
que a viveres todo dia.

É claro que haverão
dias que o céu parecerá
estar nublado pra você
e a noite sem luar.

É claro que a tristeza
te fará pensar que a dor
pode ser a recompensa
de quem luta com amor.

Mas há sempre a conjunção
que adversa a oração
e muda o rumo de tua vida.

Esperar é ter já uma ideia
que a calma será certeza,
que não é só ruim essa selva
e a vida menos mal do que beleza.

O que o silêncio pode falar
nem o maior barulho pode calar.
O que a luz pode mostrar
nem a mais escura sombra embuçará.

14 de junho de 2012

Flor Do Meu Amar

Cada flor em seu botão
e a cada tempo uma paixão.

Mas o meu tempo é todo teu
e com determinação,
por honesto perceber 
que não pode ser só meu
este céu que Deus nos dá.
E é mais sua a paixão
que parte deste olhar
por sincero já saber
que seja em qual for o lugar
será seu meu coração
e será meu o teu sonhar.

4 de junho de 2012

Verdadeiro Imperjuro

Cada coisa de tua vida
serve mesmo ao teu futuro,
até mesmo teu presente
faz-te humano mais maduro.

Há os que têm grande medo
de fantasma ou do escuro,
se esquecem que à verdade
é cada humano um nascituro.

São nas pequeninas coisas,
nos momentos mais fortuitos
que o som da tua vida
se propaga ou fica mudo.

Por isso é bom parar com isso
de viver num mundo duro
e fazer  de cada pouco
o teu mais singelo muito.

30 de maio de 2012

Ainda Há

Como pode um coração
viver incerto de si,
inquieto ao meio da canção,
levantar-se sem cair?

Como pode uma curva
não levar a um lugar,
sem chamar-te à leve e pura
maravilha de sonhar?

Não há só sempre o não
que te leva a desistir,
há ainda a exclamação
de vitórias do porvir;

Há ainda uma mesura
junto às voltas do luar
as quais elevam com doçura
cada cor que relumbrar.

29 de maio de 2012

Julgamento

Cada palavra
é uma breve parada
de um pensamento.

Cada ação
é uma reação
de um sentimento.

Cada ideia
é uma apneia
de um sofrimento.

Cada pegada
é uma estrada
em decrescimento.

Cada lágrima
é uma antonomásia
do tal sofrimento.

Cada sorriso
é um sutil compromisso
com o desenvolvimento.

Cada começo
é em si um desfecho
de cada momento.

Cada final
é tão especial
quanto seu surgimento.

Cada morrer
faz-se perceber
leve ferimento.

Cada viver
serve a valer
de argumento...

Para o amar
que é nada mais
que o eternecimento.

A Distância

As batidas fortes do coração
não são difíceis de encontrar
mesmo o tempo que hoje passa
ser tão cheio de aflição.

Agora a distância não separa
um amor, uma confissão,
um pedido de desculpas,
troca de verdades e paixão.

Do lado de fora, bate ao portão
corações que batem forte,
que querem ouvir e repartir,
construir e descobrir o próprio chão.

Dar carinho é sempre bom
e é necessário espalhar dedicação.
Às vezes o amor mora do lado,
o problema é só a visão.

21 de maio de 2012

As Coisas Dela

O olhar apaixonado,
risonho, triste,
às vezes zangado
que revelam o que sentem;

O sorriso desmedido,
o passo decidido
e os sonhos mais bonitos
de todos os que existem;

A inteligência mais humilde,
a voz mais desafinada,
o gosto mais sincero
com palavras que não mentem;

A humildade inteligente,
o jeito mais impaciente
e a doçura mais contente...

Coisas que não há quem não ame,
e que se quer todos os dias que vierem.

13 de maio de 2012

Mais E Mais


Dia de lembrar a maestria,
a primazia e a importância,
e a demasia da tristeza
quando há leve distância.

Dia de lembrar o que é especial,
igual ao que não há igual,
incomparável e sem substituição.
De imaginar só a partida já faz mal.

Mulher que teme, que erra,
que sente e que se entrega,
que guia, que se doa, que perdoa,
que até se faz de boba,
que dá sim e também nega!

De todas as qualidades,
das possíveis e dizíveis,
descritíveis e visíveis,
muitas são as que, indiscutíveis,
se escondem com humildade...

É ela que dá luz
e que puxa pela mão
tantos forem aqueles filhos
que habitarem o coração.

Ensina, inspira,
vive sempre cada rima,
sossega, aponta e alivia,
com fineza, muito amor e alegria...
é ela a real poesia:
parabéns, mães e mães!


8 de maio de 2012

Partida Caída

Foi tristeza demais,
choro de paz,
no fim risos iguais.

Meu violão partiu,
meu coração caiu.

Chorei como nunca,
um choro ou só uma
Terra sem lua...

Meu violão caiu,
meu coração partiu.

E voltou majestosa,
linda e cheirosa
pros braços do agora.

Meu violão partiu,
meu coração seguiu.

2 de maio de 2012

Sonhando

Acordar todos os dias deveras feliz
é como acordo desde muito.
Algum amigo abre a boca e ainda diz
que isso é uma mentira ou distúrbio.

Não nasci da tristeza nem marquei
encontrá-la num momento e não largar:
nasci do amor e pro amor eu viverei,
pois é essa a Força que há!

Motivos há para o choro,
mas muito mais há para o riso:
mesmo que o dia te pareça tenebroso,
lembre que sempre há espaço pro improviso.

Acreditar que o mundo é bom
e que a flor pode nascer no asfalto
é pensar como um bebê dos tempos de meu vô:
tenho orgulho de ser sonhador ou desregulado.

O mundo quer ver a alegria,
embora, em poesia, têm cantado a tristeza.
Se é pra termos utopia,
nem que reste só pra mim, mas que seja!

Como disse, não é não ter juízo.
É só acreditar na vida, no amor,
no carinho, e no sorriso
que é o que mantém vivo e alegre cada sonhador.

23 de abril de 2012

Diurno De Uma Quase Noite De Gripe

Enfermo estou,
mas nem sempre estarei;
não se manda no amor,
mas eu sei que amarei
na saúde ou na dor,
no espanhol ou no inglês...
Estou quase pra morrer,
mas não deixo um só segundo
de pensar que amo você
e que não sou um velho moribundo...
O nariz não para de escorrer
e eu repito: amo você!
O vick é forte e arde o nariz
e eu lembro: em ti sou mais feliz!
O chá é verde e o remédio amargo
e eu não esqueço aquele beijo dado!
Sinto ainda calafrio
tipo aqueles de quando silencio.
Choro!
Não porque quero...
Mas lágrimas como as da cebola:
só param por decreto!
Diria que choro de emoção,
mas choro só por congestão
no nariz que não sente cheiro,
mas que há de estar inteiro
quando chegar já, já o dia
que os sorrisos vencerão a alergia
e os espirros não atrapalharão
o bater mais forte deste coração...

21 de abril de 2012

O Amanhã, O Agora, O Hoje

Toda hora é hora de fazer
de cada hora o agora pra viver
e mesmo que existam,
ao longo desta vida,
dias que não pareçam
nenhum pouco com você,
é preciso, com carinho, compreender
que os momentos de sorriso
são banhados de alegria,
enquanto os de tristeza
nem banhados são:
não escolha a sujeira!
Escolha ser daqueles
que se encantam com o viver,
que se enganam sem esquecer
que é da vida ter ainda o que crescer.
Seja você e ajude a convencer
que a melhor forma de amar
é a única forma de viver melhor
e que o dia que raiar
merece sempre ser maior!

13 de abril de 2012

Para O Sucesso

Corra atrás,
mas não pise em ninguém.
Todos querem se dar bem,
mas aprenda:
pra conseguir sucesso
não é preciso excesso,
basta saber...
Saber fazer o que se pede
e se colocar na pele
do outro,
tendo a certeza, aos poucos,
que cuidar é um tesouro
lindo e infinito.

10 de abril de 2012

Antes Da Tristeza

Uma partida não vem pra acabar
e uma queda não vem pra partir,
um pesadelo não deve tirar
seu desejo de sempre sorrir.

Toda ferida que se abre
um dia vira cicatriz:
mesmo que a marca não se apague,
ela não te impedirá de ser feliz.

O sossego nunca é total,
mas o desejo nos leva além.
Até um momento deveras fatal,
traz consigo um punhado de bem.

Durante a vida, a gente aprenderá
que é preciso dar uma de doido
e fazer de cada marca, boa ou má,
só mais um enfeite do nosso corpo.

Sorria como se hoje fosse amanhã
e seu futuro já fosse toda hora:
a tristeza, da alegria, é irmã
e feliz ela quer ser desde agora...

4 de abril de 2012

Pra Onde O Amor Leva

Não digo que é sorte
magia do acaso
ou coisa da vida
aquilo que é forte
me tira do atraso
da enorme corrida.
Eu tenho um norte:
buscar com agrado
a certa medida,
pois sei que a morte
é um lago bem raso
das claras e lindas
paisagens sem fim
que o amor traz pra vida.

2 de abril de 2012

Família

Família,
berço que cria,
gente que inspira,
velha alegria
dos que gostam da vida.
Ter uma família
e lutar com perícia
contra arrelias,
pro bem da maioria,
é ser minoria
da gente nascida
que é às vezes vencida
por ser a maioria
gente esquecida
do que realmente precisa
ter merecida
honra e amor sem medida:
ame a sua família
que são os que te dão energia
pra aguentar a corrida
sem pressa e sem demasias
sentindo a delícia
que é cada esquina
dessa longa avenida
que chamam de vida.

29 de março de 2012

Nasci Pra Viver


Já chorei assistindo ao Chaves,
já pensei que o mundo não tem jeito,
já desisti de desenhar as claves,
já me calei mesmo doendo o peito...
já falei quando não devia,
já matei a aula e já matei fome,
já morri de rir e jamais mataria,
já perdi a hora, já esqueci um nome...
já sonhei e já dormi em pé,
já fingi que dava atenção,
já me zanguei, já pensei na fé,
já suei e já tive razão...
já amei e não paro nunca de amar,
já vivi o que não quis viver,
já sei que não posso imaginar
o quanto que ainda vai me aparecer!

27 de março de 2012

Espere Da Vida

Espere da vida
que a vida não seja
caixa de tristezas
ou desilusão,
pois muitos serão
os dias de dor,
de raiva e de cão.
Mas sempre aparecem
os dias de paz,
a calma, o amor,
vitórias e mais...
Não queira ver
o dia passar
sem tê-lo ajudado
a se perpetuar,
pois cada palavra
que o mundo disser
é o tempo querendo
ser mais que pequena
lembrança ou vento
na sua janela
que vive a vagar.
Queira que o dia termine
só quando o amor
se desesperar,
porque o amanhã
há de chegar
trazendo a calma
e consolo pra alma
do mal que passou,
como sempre passa
tudo de ruim
que um dia chegou.

23 de março de 2012

Antes de Casar


O Pedro de pedra
pechincha a panela
que nem quer comprar.
Não paga por ela
pois pede à mulher
que se apresse em levar.

Maria, menina esperta,
me manda à janela
para contemplar
O mais magricela
e também banguela
que já viu passar.

Pedro sentiu a canela,
o joelho e a testa
doer sem parar
quando sua mulher
pro magro deu trela
e saiu a dançar.

Maria, risonha e alerta,
avisou bem depressa
que queria olhar
uma panela daquelas,
comprar em parcelas
antes de casar.

Eu, com cautela,
disse para bela
não se preocupar:
“vou atrás dela
e já levo as moedas
pra à vista pagar!”

22 de março de 2012

Deixe

Deixe nascer
a flor no deserto,
a água na rocha,
a gentileza nas ruas,
a sorte no amor,
um gesto de bondade,
o perdão na discussão,
mãos dadas na guerra,
a guerra pela paz.
Deixe viver
o olhar inocente,
o tempo coerente,
os dons que Deus dá,
a foz da tristeza,
o nojo da maldade,
a alegria do ser,
o amor no coração.
Deixe ser
para sempre
tudo aquilo
que envolver amor,
pois só tem felicidade
e só te traz sabedoria
o que, com carinho,
se constrói
e que não dá pra destruir.